Compartilhar Inscreva-se
A saúde da sua clínica também precisa de cuidados!
  • Diminua 50% as faltas dos pacientes.
  • Economize 40% no tempo de suas secretárias.
  • Facilite 100% seu dia.
Gostou desse conteúdo?

Junte-se a nossa lista de 10.500 profissionais da saúde e receba em primeira mão conteúdos exclusivos, eBooks e dicas de gestão.

Agora estamos prontos para ajudar você!

Você receberá todos os nossos conteúdos, dicas e ferramentas exclusivas.

Saiba o que é CID 10 e quais os principais códigos de classificação

Saiba o que é CID 10 e quais os principais códigos de classificação

Engana-se quem pensa que o estudo da medicina consiste apenas na compreensão da biologia e da psicologia humana. É preciso considerar, ainda, a epidemiologia como uma importante aliada na assistência em saúde.

A análise da prevalência e da incidência de doenças ajuda a compreender o perfil de determinada população e, assim, viabiliza recursos que contemplam as necessidades daquele local.

Uma importante ferramenta utilizada para isso é o CID 10. Mas, afinal, o que é CID 10? Como ele funciona e quais são seus benefícios? Continue a leitura e fique por dentro do assunto!

Descubra como surgiu o CID 10

Você já sabe que a epidemiologia tem importante papel na saúde da população devido ao estudo que realiza em cima das doenças que acometem uma região. Para que isso seja possível, é de suma importância que haja um padrão na classificação das patologias.

A fim de contemplar essa necessidade, a Organização Mundial de Saúde (OMS) criou a Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde ou, simplesmente, Código Internacional de Doenças (CID), que atualmente está em vigor em sua 10ª edição.

Portanto, o CID 10 é uma classificação desenvolvida pela OMS com o intuito de proporcionar o fichamento de doenças de maneira padronizada e com abrangência internacional.

Entenda a sua importância

A partir do momento em que é feito um catálogo com as doenças e que são atribuídos códigos a elas, torna-se mais palpável o monitoramento da prevalência e da incidência de cada uma quando associadas aos grupos que acometem.

Sendo assim, os gestores de saúde passam a contar com dados estatísticos que traduzem a realidade da saúde pública. A análise de tais resultados auxilia na tomada de decisões e no planejamento de medidas assistenciais para melhoria da assistência no local analisado.

Além disso, a classificação evita a ambiguidade ou o equívoco ao se referir a determinada patologia. Exemplo disso pode ser observado com atestados médicos, os quais indicam, por meio do código, qual patologia motivou a consulta, preservando, ainda, a exposição do paciente.

Saiba as principais classificações

Diante de tantas doenças e âmbitos de abordagem, o CID foi estruturado de modo que contemplasse tanto o ponto de vista anatômico quanto o patológico, sem se esquecer das manifestações clínicas. De fato, são muitos aspectos a serem considerados.

Dessa forma, a classificação é dividida em capítulos, os quais contêm agrupamentos, que são conjuntos de categorias. As categorias são representadas por uma letra e por dois dígitos, subdivididas em subcategorias, o que acrescenta um ponto e um algarismo de 0 a 9.

Veja, agora, alguns exemplos de códigos das doenças mais prevalentes dos principais capítulos do CID 10!

Doenças infecciosas e parasitárias (A00 – B99):

  • outras doenças bacterianas: A31.8;
  • doença pelo HIV resultando em infecções microbacterianas: B20.0;
  • outras doenças intestinais especificadas por protozoários: A07.8.

Doenças endócrinas, nutricionais e metabólicas (E00 – E90):

  • diabetes insípido: E23.2;
  • distúrbios do metabolismo da tirosina: E70.2;
  • desnutrição proteico-calórica leve: E44.1.

Transtornos mentais e comportamentais (F00 – F99):

  • esquizofrenia paranoide: F20.0;
  • transtorno depressivo recorrente sem especificação: F33.9;
  • transtornos da ansiedade orgânicos: F06.4.

Afecções originadas no período perinatal (P00 – P96):

  • síndrome da angústia respiratória do recém-nascido: P22.2;
  • outros transtornos cardiovasculares originados no período perinatal: P29.8;
  • infecção própria do período perinatal não especificada: P39.9.

Esses são apenas alguns dos códigos contidos no CID 10. A classificação conta, ao todo, com 22 capítulos, os quais serão revisados para elaboração do CID 11. Na verdade, a 11ª versão estava prevista para ser apresentada na Assembleia Mundial de Saúde em maio de 2019, mas entrará em vigor apenas em 2022. As principais mudanças retratam os avanços da medicina e da tecnologia que aconteceram ao longo dos anos.

Você também pode gostar desses conteúdos:

Compreenda a relevância do CID para os profissionais da área da saúde

É essencial caracterizar e avaliar as enfermidades, a fim de auxiliar no diagnóstico e assegurar um tratamento eficiente aos pacientes. Por essa razão, é de extrema importância o papel do CID, principalmente, para ajudar dentistas e médicos. Por meio dele, é possível que esses profissionais busquem informações de diagnósticos e classifiquem dados relacionados às causas das doenças.

Inclusive, o fato de padronizar as doenças contribui para a troca de informações entre os países, visto que diversas enfermidades apresentam nomes totalmente diferentes de uma região do mundo para outra.

Veja os principais objetivos da sua criação

Por meio da padronização na nomenclatura, seu principal objetivo é criar uma codificação para as patologias, possibilitando, entre os profissionais de saúde, uma melhor comunicação. Ou seja, a classificação foi gerada para auxiliar a comunicação e o trabalho de médicos em todo o mundo.

Diversas vezes, devido a problemas de tradução, vários diagnósticos podem se perder e, a partir do instante em que os códigos começaram a ser usados, foi vencida a barreira do idioma. Inclusive, a padronização permite uma comunicação mais eficaz e objetiva e com órgãos, como a Previdência Social, que dá autorização dos benefícios em função de algumas anomalias, como o auxílio-doença.

O catálogo do CID auxilia no levantamento de dados estatísticos e também na formulação de softwares direcionados para a medicina. Para todos os profissionais, a apresentação, as nomenclaturas, os detalhes, a comparação das doenças e os processamentos são os mesmos mundialmente.

Hoje em dia, temos o CID 11, isto é, sua décima primeira versão. Primeiramente publicada em 1992 e atualizada periodicamente, dispõe de 22 capítulos com números e letras de ordem crescente. O alfabeto completo de A a Z é relacionado aos números de 0 a 99.

O código formado permite a identificação de todas as doenças conhecidas, além de reclamações de pacientes, sintomas, aspectos fisiológicos considerados anormais, entre outros.

Saiba como o CID está sendo utilizado em pesquisas e os resultados obtidos por meio dele

Além de ser utilizado em atestados médicos por profissionais de saúde, setores de pesquisas e previdência social, o CID auxilia na execução de pesquisas sobre episódios de algumas doenças em uma localidade ou em um grupo determinado de pacientes.

Com ele, é possível detalhar mais os cálculos de taxas de morbidade — quantidade correspondente de indivíduos que manifestam uma doença em uma dada população — ou a taxa de mortalidade ligada a uma doença.

Essas estatísticas contribuem para identificar os fatores do aparecimento de epidemias e endemias, possibilitando a criação de medidas educativas e preventivas voltadas para determinadas doenças que têm um índice de desenvolvimento maior.

É importante ressaltar que a manutenção da classificação das patologias e sua atualização frequente são essenciais, pois, dessa forma, é possível apresentar uma linguagem universal e também atualizar os conhecimentos de doenças existentes, assim como procedimentos clínicos e novas tecnologias.

Por fim, agora, você sabe o que é CID e sua importância. Lembrando que é essencial se manter atualizado e acompanhar as transformações do CID, com o intuito de otimizar sua comunicação com outros médicos, aumentar a sua compreensão do funcionamento do corpo e o desenvolvimento de determinadas doenças e, por fim, disponibilizar um atendimento de excelência aos seus pacientes.

O artigo foi útil para você? Então, não perca mais tempo e entre em contato conosco para saber como podemos ajudar!

Compartilhe
André Luiz Forchesatto

André Luiz Forchesatto

Ajudo a facilitar a rotina de nossos clientes, gerenciando o time que trabalha constantemente para simplificar a gestão de clínicas, consultórios e centros médicos pelo Brasil.