Compartilhar Inscreva-se
A saúde da sua clínica também precisa de cuidados!
  • Diminua 50% as faltas dos pacientes.
  • Economize 40% no tempo de suas secretárias.
  • Facilite 100% seu dia.
Gostou desse conteúdo?

Junte-se a nossa lista de 10.500 profissionais da saúde e receba em primeira mão conteúdos exclusivos, eBooks e dicas de gestão.

Agora estamos prontos para ajudar você!

Você receberá todos os nossos conteúdos, dicas e ferramentas exclusivas.

Passo a passo: como fazer um fundo de emergência para a clínica

Passo a passo: como fazer um fundo de emergência para a clínica

O fundo de emergência é um montante que fica reservado para eventualidades e imprevistos, ou seja, é um item fundamental de todo bom planejamento financeiro. Ocorre que muitas pessoas o aplicam apenas em sua vida pessoal e esquecem da sua importância no ramo profissional.

A realidade é que o fundo de emergência é relevante para todos os negócios, inclusive para clínicas, uma vez que ajuda a diminuir as dificuldades financeiras e traz mais tranquilidade em situações adversas, por exemplo.

Se você deseja descobrir como criar uma reserva para a sua clínica, acompanhe este post, pois apresentaremos um passo a passo com todos os detalhes. Continue a leitura e confira!

Faça um planejamento preciso

Inicialmente, o primeiro passo para fazer um fundo de emergência para a sua clínica deve ser montar um planejamento preciso. Para tanto, é possível, por exemplo, criar uma planilha que conste as seguintes informações: custos fixos, variáveis e extras.

Registre as receitas e despesas

Diretamente ligado ao tópico anterior, antes de criar uma reserva financeira é necessário registrar, em um controle bem detalhado de, ao menos, 3 meses, todas as suas receitas e despesas. O ideal é, inclusive, obter informações a respeito de sua receita líquida, ou seja, o que teve descontos, contribuições, entre outros.

Defina um valor mensal que deve ser poupado

Depois de estimar as receitas e despesas de sua clínica e montar um planejamento, é recomendado determinar um valor a ser poupado por mês. Para definir a quantia ideal é preciso analisar a realidade financeira de seu estabelecimento.

Ao definir uma quantia mensal para fazer um fundo de emergência, é imprescindível tratar como algo fundamental e vital para o seu estabelecimento, criando o hábito e a disciplina de poupar o valor determinado todos os meses. Além disso, sempre que for possível — como quando há lucros maiores — o ideal é aumentar o valor da parcela poupada.

Corte gastos desnecessários

Não é só na vida pessoal que costumamos ter gastos desnecessários. Uma clínica também pode ter despesas que não são essenciais e que passam despercebidas. É o caso, por exemplo, de uma sala de espera com televisão e pacote da TV a cabo que não é utilizado.

Assim, se a sua televisão está sempre ligada apenas em canais da TV aberta, o ideal é poupar o valor referente ao pacote da TV a cabo, que é um gasto desnecessário e poupar na reserva financeira.

Realize investimentos

Outro erro que muitas pessoas cometem ao fazer um fundo de emergência é apenas poupar uma quantia determinada todos os meses sem realizar qualquer tipo de investimento — fator que faz com que elas percam dinheiro.

Bons investimentos são capazes de potencializar os ganhos e aumentar o capital. No caso de uma reserva, o ideal é realizar investimentos de alta liquidez e baixo risco, ou seja, algum que possa ser sacado a qualquer momento e que seja praticamente difícil de ter perdas.

O investimento mais conhecido e utilizado costuma ser a poupança. Contudo, ela não é única e nem sequer a melhor opção, uma vez que costuma ser mais interessante poupar dinheiro em fundos de renda fixa ou em um CDB com liquidez diária, já que se trata de investimentos que oferecem rendimentos maiores, pois acompanham diretamente as taxas de juros do Brasil.

Pronto, agora você já sabe como criar um fundo de emergência e fazê-lo render. Coloque as dicas em prática e comece o quanto antes para cuidar de sua clínica. Além disso, lembre-se que é fundamental saber o momento certo de utilizá-lo, ou seja, apenas em situações reais de emergência, repondo depois de usar sempre que for possível.

Se você gostou do post, continue a visita em nosso blog e conheça mais sobre finanças nas nuvens: como fazer o gerenciamento do fluxo de caixa do seu consultório!

Você também pode gostar desses conteúdos:

Compartilhe
André Luiz Forchesatto

André Luiz Forchesatto

Ajudo a facilitar a rotina de nossos clientes, gerenciando o time que trabalha constantemente para simplificar a gestão de clínicas, consultórios e centros médicos pelo Brasil.