Compartilhar Inscreva-se

Wearable devices: como a tecnologia está influenciando a saúde

Wearable devices: como a tecnologia está influenciando a saúde

Os wearable devices estão cada vez mais presentes no nosso dia a dia, mas você já parou pra pensar em como esses dispositivos podem contribuir para tratamentos e diagnósticos na área da saúde?

Quando o assunto é tecnologia aplicada à área da saúde, podemos pensar em diversos setores para sua implementação.

Isso inclui equipamentos robóticos, dispositivos móveis, relógios e pulseiras inteligentes, sistemas de gestão para clínicas, avanços em pesquisas, além de outros aparelhos, e, mais recentemente, abrange dispositivos que podemos vestir, também conhecidos como wearables.

Com a disseminação dos recursos tecnológicos, não seria fora da realidade a existência de aparelhos que acompanham o indivíduo onde quer que ele vá.

Associar isso com o cuidado em saúde é, de fato, uma grande aposta para o sucesso da assistência.

Pensando nisso, vamos abordar o que realmente são wearable devices, bem como o seu uso e os benefícios proporcionados. Confira!

Entenda o que são wearable devices

Como o próprio nome sugere, wearable device consiste em um dispositivo vestível, o qual apresenta sensores capazes de detectar uma série de parâmetros do indivíduo. 

Além disso, oferece conforto e praticidade para quem faz o uso, sendo quase imperceptível.

Além de identificar os parâmetros para os quais foi programado, é possível manter os registros dos dados ou, até mesmo, enviá-los em tempo real para acompanhamento ou para o celular ou outro dispositivo móvel do paciente, de acordo com a necessidade. 

Independentemente disso, o recurso viabiliza um cuidado que se baseia no cotidiano do paciente, não apenas no que é obtido no momento da consulta.

Tipos de wearable devices

Às vezes esse avanço tecnológico pode parecer distante da nossa realidade, mas não é. 

Quantas pessoas com as quais você convive já usam relógios inteligentes (smartwatches ou Apple watch) diariamente para medir coisas como: 

  • Frequência Cardíaca
  • Oxigenação
  • Nível de Estresse
  • Intensidade e ritmo dos exercícios físicos
  • Qualidade do sono
  • Número de calorias gastas

Entre diversas outras funções. 

Os relógios inteligentes talvez sejam os wearable devices mais comuns, mas não são os únicos. Hoje em dia, como a evolução da internet das coisas (IOT),  já é possível encontrar outras opções como:

  • Os óculos Google Glass;
  • O tênis que conta seus passos;
  • O moletom com fone de ouvido;
  • Às mochilas com bateria que recarregam celulares e outros dispositivos;

E diversos outros dispositivos inteligentes. 

Isso tudo sem falar nos óculos de realidade aumentada que permitem os usuários emergirem em outros universos e já começaram a ser usados na área da saúde para auxiliar nas faculdades de medicina, no tratamento de fobias e até mesmo para o desenvolvimento da cognição social nas pessoas com autismo.

Saiba para quais finalidades podem ser implementados

Com a abrangência de parâmetros que podem ser avaliados, as doenças crônicas que requerem maior acompanhamento são as que possibilitam maior implementação.

Para um diabético, por exemplo, já existem recursos para monitorar constantemente os valores de glicemia e, até mesmo, ajustar a dose de insulina necessária.

Já para pessoas com problemas cardiovasculares, é possível obter os principais dados vitais, como frequência cardíaca, ritmo de pulsação e níveis pressóricos. Isso ajuda a monitorar os efeitos das medicações prescritas.

Alguns dispositivos estão sendo aprimorados para atuarem na qualidade do sono, identificando seu padrão e o tempo em cada fase e, assim, fornecendo informações para intervenção.

Até para o combate ao tabagismo, existem recursos tecnológicos, que detectam o nível de abstinência e propõem medidas para diminuir o desejo.

Conheça as vantagens dos dispositivos

Conforme abordado, a grande vantagem está na assistência em saúde com maior precisão diante dos aprimoramentos que os dados viabilizam. 

É possível utilizar os wearables no tratamento e também na prevenção de condições, por meio da identificação precoce de fatores de risco.

Por meio de relatórios e da análise do banco de dados, torna-se viável a avaliação dos resultados das condutas adotadas, bem como os ajustes necessários, considerando o dia a dia do paciente e não apenas momentos pontuais.

Complementando as vantagens na assistência, para o paciente, não há desconforto no uso. 

Na verdade, a praticidade proporcionada pelos dispositivos evita, até mesmo, o deslocamento para determinadas unidades de serviços apenas para a coleta de informações, como laboratórios, farmácias e postos de saúde.

Wearable devices e a Covid-19

Talvez uma das formas mais palpáveis de perceber como os wearable devices já estão presentes na nossa rotina e transformando a relação de pacientes com suas doenças, diagnósticos e, consequentemente, médicos, tem sido a pandemia da Covid-19. 

Como a doença tem como um de seus principais sintomas a baixa da saturação, cresceu no mercado a busca por pulseiras inteligentes capazes de medir o nível de oxigênio ou então o número de famílias que agora possuem um oxímetro em casa. 

Com o auxílio desses wearable devices, os pacientes se empoderam de uma nova informação que os permite acompanhar o desenvolvimento de seu quadro de casa, procurando um médico ou hospital apenas quando necessário e munidos de informações mais completas, que podem facilitar o diagnóstico. 

Concluímos, enfim, que os wearable devices são grandes apostas para a assistência em saúde. 

Embora já sejam realidade para uma parcela da população, sua disseminação será efetiva ao longo dos anos. 

Além disso, por meio dos avanços em pesquisas e do desenvolvimento na área tecnológica, haverá uma implementação mais abrangente no que diz respeito às diversas condições de saúde que requerem acompanhamento.

Outro ponto que não podemos deixar de fora dessa discussão é a forma como a área da saúde, de maneira geral, vai lidar com pacientes mais bem-informados e como podemos usar isso como ferramenta para melhores diagnósticos. 

Os wearable devices estão longe de substituir a experiências e o conhecimento de um médico, mas entender como eles podem ser usados para melhorar e facilitar nosso trabalho, é fundamental. 

Este post foi útil? Agora, que tal ficar por dentro dos aplicativos essenciais para a prática médica?

Você também pode gostar desses conteúdos:

Compartilhe
André Luiz Forchesatto

André Luiz Forchesatto

Ajudo a facilitar a rotina de nossos clientes, gerenciando o time que trabalha constantemente para simplificar a gestão de clínicas, consultórios e centros médicos pelo Brasil.