Compartilhar Inscreva-se
A saúde da sua clínica também precisa de cuidados!
  • Diminua 50% as faltas dos pacientes.
  • Economize 40% no tempo de suas secretárias.
  • Facilite 100% seu dia.
Gostou desse conteúdo?

Junte-se a nossa lista de 10.500 profissionais da saúde e receba em primeira mão conteúdos exclusivos, eBooks e dicas de gestão.

Agora estamos prontos para ajudar você!

Você receberá todos os nossos conteúdos, dicas e ferramentas exclusivas.

Telediagnóstico: entenda tudo sobre o assunto!

Telediagnóstico: entenda tudo sobre o assunto!

O telediagnóstico consiste em uma das subdivisões da telemedicina voltado para uma etapa específica e importante desse atendimento.

Ambos, entretanto, tanto a parte como o seu processo mais abrangente, nunca foram tão discutidos como vêm sendo.

Pode-se dizer que ao longo dos anos, as práticas foram ganhando cada vez mais espaço no cenário da saúde e, atualmente, mostraram-se fundamentais para a assistência ao longo da pandemia.

Assim, diante da relevância do assunto, vamos explicar melhor sobre o telediagnóstico e mostrar como é possível colocá-lo em prática de maneira legalizada. Portanto, continue a leitura!

Os efeitos da telemedicina

Por mais que a telemedicina seja um assunto em alta, seu surgimento é mais antigo do que muitos imaginam. Na verdade, a saúde foi acompanhando a evolução dos recursos tecnológicos de acordo com as necessidades de cada época.

Durante a Segunda Guerra Mundial, por exemplo, o rádio era um importante veículo de comunicação. Dessa forma, viabilizou o contato entre hospitais de retaguarda e os médicos que estavam em campo de batalha.

Caminhando mais um pouco na história, chegamos no final do século XX. Foi justamente na década de 90 que o FAX se mostrou um importante instrumento para a interpretação de eletrocardiograma. Assim, o telediagnóstico começou a ser construído.

Já no século XXI, a implementação da telemedicina ganhou maior abrangência. As universidades, por exemplo, abraçaram a iniciativa e muitas já atuam na democratização do acesso à saúde.

Por fim, o grande destaque tem sido o papel da telemedicina ao longo da pandemia do coronavírus.

Atualmente, ela está devidamente regulamentada pelo Conselho Federal de Medicina. Complementando, já existem rumores e movimentação para que isso perdure até o pós-pandemia.

A verdade é que ela preserva a integridade de pacientes saudáveis e infectados. Com ela, as pessoas são menos submetidas a terem que quebrar o isolamento para buscar informações ou assistência em saúde.

Assim, diminui-se a circulação de pacientes com quadros suspeitos e, consequentemente, a propagação do vírus na comunidade.

O que é telediagnóstico?

O que é telediagnóstico

Mas e o telediagnóstico, seria a mesma coisa da telemedicina? Não! É importante deixar claro desde já que o telelaudo é um dos setores que compõem a telemedicina. Portanto, ele está focado em etapas específicas do cuidado: diagnóstico e tratamento.

Na prática, o telediagnóstico não engloba aquela parte inicial da consulta, na qual são identificadas as queixas e o histórico do paciente e é elaborada a solicitação de exames ou prescrição de medicamentos.

O telediagnóstico está totalmente focado na interpretação de exames e na emissão de laudos a distância. Então, há basicamente duas situações em que o telelaudo é utilizado: contextos eletivos e de emergência.

No primeiro caso, são exames realizados após solicitação do médico diante de uma consulta simples, seja de rotina, seja de uma queixa não urgente. Já o segundo é no contexto da emergência, quando nem sempre há um especialista para laudar no local.

Então, seja qual for o contexto, os exames são enviados para o profissional responsável pela avaliação por meio de um software. Assim, ocorre um tráfego de dados que direciona as imagens de maneira segura para as partes envolvidas.

banner telemedicina

Como surgiu o telediagnóstico?

O telediagnóstico não é tão recente quanto possa parecer. Embora não seja possível demarcar quando ele exatamente se iniciou, verificamos que existe um estudo de caso dessa atividade datado em 1974.

Ele relata que, por meio de um circuito de microondas (ondas eletromagnéticas) audiovisual e bidirecional, os médicos do Massachusetts General Hospital forneceram cuidados a mil pacientes que estavam a cerca de 2.7 milhas de distância.

Isso equivale a pouco mais de 43 quilômetros de distância da Estação Médica do Aeroporto Internacional Logan.

Assim, embora não possamos comparar os recursos da época com as possibilidades tecnológicas de hoje, que garantem maior segurança nas informações coletadas, no século passado o telediagnóstico já dava indícios de que era uma atividade promissora e que tinha tudo para dar certo.

Quais são os benefícios do telediagnóstico?

Erroneamente, muitas pessoas encaram a telemedicina como uma substituta dos profissionais.

Abaixo, veja como o telediagnóstico, na verdade, atua como um aliado para médicos e pacientes!

Quebra de barreiras

O primeiro ponto relevante do telediagnóstico é a quebra de barreiras tanto físicas quanto geográficas.

No primeiro aspecto, deixa de ser necessária a impressão dos exames, ou seja, as imagens passam a ser digitalizadas, com maior qualidade e melhor acessibilidade.

Já no segundo aspecto, os profissionais especialistas não precisam estar necessariamente presentes no local para interpretação do exame.

Lembra do contexto de emergência? Ele não requer a presença física do colaborador e ainda garante um laudo qualificado.

Avaliação especializada

Ainda seguindo o raciocínio da avaliação por profissionais aptos, imagine agora um cenário como o do Brasil. Diante do imenso território, nem todos os cantos do país contam com o fácil acesso aos médicos especializados

É por isso que o telediagnóstico se faz tão necessário! A implementação dele seria sinônimo de oportunidade para os pacientes contarem com avaliação especializada.

Seria também uma chance para os próprios especialistas ampliarem os locais de atuação.

Redução de custos

A redução de custos devido à implementação do telediagnóstico pode ser observada por diferentes pontos de vista. O primeiro deles é a economia diante da locação. Uma pessoa não precisaria se deslocar até outro bairro (ou mesmo cidade) para receber o laudo.

Outro ponto de vista importante é para as clínicas e consultórios. Manter um profissional especialista no corpo de colaboradores do local pode ser muito dispendioso.

Ao utilizar o telediagnóstico, você pode optar por enviar os exames para especialistas apenas quando necessário.

Integração do cuidado

Ao utilizar os meios de comunicação para veicular os exames entre diferentes locais, é possível criar uma rede compartilhada.

Assim, os diferentes profissionais envolvidos no cuidado daquele paciente podem se comunicar e acessar os laudos e as impressões diagnósticas.

Mais uma vez, o grande beneficiado é o paciente, que receberá o retorno qualificado de diferentes especialistas.

Agilidade

A agilidade oferecida pelo serviço de telediagnóstico também é um outro enorme benefício.

Isso porque, pelo fato de a entrega do laudo ser realizada via software, o recebimento desses pelos médicos é infinitamente mais rápido.

Nesse sentido, o processo todo se torna mais ágil, desde a consulta de retorno do paciente até o início do tratamento.

Ou seja, ganha-se tempo para medicar e tratar sintomas leves e graves com o máximo de urgência.

Resultados com melhor resolução nas imagens

A impressão dos exames, por mais aprimoradas que sejam, podem comprometer a resolução das imagens. Isso é um fato!

Na contramão dessa questão, entretanto, as imagens enviadas pelos softwares de telediagnóstico são de altíssima resolução e não perdem em nada sua qualidade.

Isso significa que ao médico será permitido realizar um diagnóstico mais preciso e real, o que, consequentemente, implica na indicação de tratamentos mais eficazes e direcionados.

Troca de conhecimento entre profissionais

Como mencionamos anteriormente, existe uma rede que pode ser criada para que os telelaudos possam ser compartilhados.

Esse fato permite que haja uma troca de conhecimento entre médicos de diferentes especialidades para que concretizem um diagnóstico preciso.

Além do benefício direto ao paciente, essa troca também enriquece as próprias experiências de cada médico que tem acesso a rede, o que contribui significativamente para o crescimento desses.

Qual a relação entre telediagnóstico, telessaúde e telemedicina?

telediagnostico e telemedicina

Telediagnóstico, telessaúde e telemedicina são termos que estão diretamente relacionados por se referirem ao uso das tecnologias na área da saúde como forma de expandi-la e aprimorá-la.

A telessaúde é o conceito mais amplo de todos. Ela consiste em um sistema que utiliza as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) para promover a saúde, seja a partir de conferências, pesquisas, capacitações profissionais, entre outros.

Nesse sentido, pode-se dizer que a telemedicina é um dos pilares da telessaúde, estando direcionada especificamente para os atendimentos médicos com o uso dos recursos tecnológicos.

Por fim, o telediagnóstico consiste em um dos braços de atuação da telemedicina, assim como o teleconsulta, por exemplo.

Portanto, um termo está incluso dentro do outro, sendo que todos tem como finalidade a melhoria da saúde.

Exames mais comuns no telediagnóstico

Existem variados exames de telediagnóstico, ou seja, que podem ser beneficiados com essa atividade. Entretanto, separamos aqui os mais comuns para que seja possível visualizar de forma mais prática a prestação desse serviço.

Cardiologia

Os exames cardiológicos são importantíssimos para, não apenas identificar alguma doença sintomática, como prevenir patologias relacionadas ao coração que possam vir a acometer o paciente futuramente.

Os mais utilizados pelo telediagnóstico são:

  • Eletrocardiograma (ECG): avalia a atividade elétrica do coração.
  • Holter: registra a frequência cardíaca por 24 horas ou mais.
  • Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (MAPA): realiza o registro da pressão arterial no decorrer de 24 horas.

Neurologia

Já os exames neurológicos podem identificar hemorragias, epilepsia, tumores cerebrais, entre outras patologias e lesões do sistema neurológico.

Os mais utilizados pelo telediagnóstico são:

  • Eletroencefalograma (EEG): avalia a atividade elétrica do cérebro.
  • Polissonografia: monitora as atividades cerebral, respiratória, cardíaca e muscular durante o sono.

Radiologia

Nessa especialidade, existem muitos exames que podem ser realizados, como:

  • Raio-X: obtém imagens das partes internas do corpo.
  • Tomografia computadorizada: une o equipamento de Raio-X com computadores para registrar imagens dos órgãos internos.
  • Mamografia: radiografia das mamas.
  • Densitometria óssea: é utilizado para diagnosticar osteoporose e osteopenia.
  • Ressonância nuclear magnética (RNM): utiliza um campo magnético para gerar imagens das estruturas internas do corpo.

Pneumologia

Já na pneumologia, um exame que pode passar pelo telediagnóstico é a espirometria. Ela avalia a saúde dos pulmões e sua capacidade para, assim, detectar possíveis doenças respiratórias.

O telediagnóstico é seguro?

exames telediagnostico

Depois de tantas informações sobre como funciona o telediagnóstico, pode surgir a dúvida sobre a segurança deste serviço.

Pois então, saiba que essa atividade é segura sim, além de ser extremamente benéfica, como já vimos por aqui.

Entretanto, para que essa segurança seja completa, é necessário que o software utilizado seja confiável para que as informações do paciente sejam preservadas.

Além disso, é recomendado que o diagnóstico seja laudado por um médico com Registro de Qualificação de Especialista (RQUE).

Seguindo essas condições, o telediagnóstico pode ser utilizado tranquilamente e com segurança.

O que diz a lei sobre telediagnóstico no Brasil?

No Brasil, a regulamentação e fiscalização da telemedicina são realizadas pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). Entretanto, não existe uma especificação sobre o telediagnóstico.

Isso quer dizer que o serviço deve seguir, basicamente, as regulamentações da Resolução nº 1.643, que define e disciplina a prestação de serviços por meio da telemedicina, e da Resolução nº 2.107, que regulamenta a telerradiologia.

Por existirem apenas regras gerais, que não se aplicam especificamente ao telediagnóstico, o CFM faz algumas recomendações para a prestação correta desse serviço.

Nesse sentido, eles recomendam: que seja utilizado um software confiável, que o laudo seja dado por um médico com RQUE e que os hospitais e clínicas que prestarem esse tipo de serviço disponham de tecnologias regulamentadas pela Anvisa e que sigam a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). 

O futuro do telediagnóstico

O telediagnóstico, assim como outros pilares da telemedicina, tende a evoluir ainda mais com os avanços tecnológicos e recursos que ainda estão por vir.

Nesse sentido, consultas, diagnósticos e tratamentos tendem a ser muito mais assertivos, pois a tecnologia contribui para a otimização das rotinas médicas. Inclusive, a quantidade de diagnósticos precoces tende a aumentar consideravelmente.

Além disso, o acesso à saúde será ainda mais expandido com a promoção da acessibilidade. Ou seja, o telediagnóstico poderá fazer parte da vida de mais brasileiros.

O uso de softwares em prol do telediagnóstico

lei telediagnóstico

Bom, diante de tantas vantagens, muitas pessoas logo querem implementar o telediagnóstico em suas clínicas. Mas qual seria o primeiro passo para isso?

A escolha do software! Isso porque sem um sistema especializado torna-se inviável a prática do telelaudo. É preciso contar com um software seguro, que garanta a veiculação dos exames preservando a integridade do paciente e a qualidade das imagens.

Em suma, a missão dos sistemas é converter as imagens obtidas em formato digital. Feito isso, elas podem ser enviadas por meio da rede de compartilhamento. Ao receber os arquivos, o especialista analisa e retorna com o laudo para o médico solicitante.

Conclusão

Como vimos neste conteúdo, diante das mais diversas maneiras de implementar a telemedicina nas clínicas, o telediagnóstico se apresenta como um excelente recurso.

Afinal, ele é um setor importante e que cresce cada vez mais frente à necessidade de assistência especializada para a população brasileira. Além disso, pode oferecer uma melhor assistência e assegurar a redução de gastos para ambas as partes envolvidas.

Por isso, consultórios que desejam acompanhar o mercado, otimizar os seus resultados e oferecer os melhores serviços aos pacientes precisam investir no telediagnóstico o quanto antes.

Neste caso, não hesite em contar com a Clínica das Nuvens para te ajudar nesse processo!

Compartilhe
André Luiz Forchesatto

André Luiz Forchesatto

Ajudo a facilitar a rotina de nossos clientes, gerenciando o time que trabalha constantemente para simplificar a gestão de clínicas, consultórios e centros médicos pelo Brasil.