Compartilhar Inscreva-se
A saúde da sua clínica também precisa de cuidados!
  • Diminua 50% as faltas dos pacientes.
  • Economize 40% no tempo de suas secretárias.
  • Facilite 100% seu dia.
Gostou desse conteúdo?

Junte-se a nossa lista de 10.500 profissionais da saúde e receba em primeira mão conteúdos exclusivos, eBooks e dicas de gestão.

Agora estamos prontos para ajudar você!

Você receberá todos os nossos conteúdos, dicas e ferramentas exclusivas.

Conheça as 6 metas internacionais de segurança do paciente

Conheça as 6 metas internacionais de segurança do paciente

A prática da assistência em saúde envolve alguns riscos que podem causar danos aos pacientes, como quedas, erros durante um procedimento cirúrgico, administração incorreta de medicamentos, entre outros. Para reduzir esses riscos, existem algumas práticas que, quando corretamente aplicadas, garantem a segurança do paciente e englobam atitudes e estudos de nível internacional.

Trata-se de ações que visam a eliminar, ou, ao menos, reduzir riscos de danos causados durante a assistência em saúde, baseadas nas metas internacionais de segurança do paciente. Essas metas foram criadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS), junto à Joint Commission International (JCI), objetivando a normatização de determinadas práticas e garantindo direitos ao paciente.

No Brasil, além das metas da OMS, a segurança do paciente segue as recomendações do Programa Nacional de Segurança do Paciente, que teve a sua criação pelo Ministério da Saúde. Para conhecer mais sobre esse tema e ficar por dentro da prevenção de riscos na assistência médica, continue a leitura!

Conheça as metas de segurança do paciente

As metas internacionais de segurança do paciente criadas pela OMS em parceria com a JCI reúnem estratégias para eliminar os riscos que possam ser evitados durante os cuidados e a assistência à saúde. Conheça mais sobre elas a seguir!

1. Saiba como identificar os pacientes

Identificar o paciente corretamente é fundamental porque evita erros ou danos causados por resultados de exames, medicações ou procedimentos errados. Desse modo, essa meta busca fazer a identificação dos pacientes para garantir que a aplicação de remédios e outros procedimentos sejam realizados nas pessoas certas.

Isso evita os erros médicos e garante o recebimento do tratamento correto em quaisquer circunstâncias. A norma também leva a um melhor direcionamento das equipes de profissionais da saúde, afinal, é crucial conferir a identidade do paciente durante todas as fases do tratamento e durante qualquer procedimento feito.

A melhor forma de garantir o cumprimento dessa meta é adotando um software de gestão que possibilite identificar os pacientes de modo rápido e prático. Assim, as informações ficam disponíveis no sistema, facilitando a identificação de doenças crônicas, alergias e medicamentos de uso regular, por exemplo.

2. Estabeleça uma comunicação eficiente

É preciso prevenir a troca ou a perda de qualquer dado e informação que trate dos cuidados de cada pessoa atendida. Desse modo, o registro preciso no prontuário previne as falhas de comunicação, principalmente nos casos em que é preciso transferir os cuidados para outros profissionais.

Para isso, as metas internacionais de segurança do paciente estabelecem o uso de alguns códigos com o objetivo de melhorar a eficácia da comunicação entre os funcionários de saúde, afinal, qualquer falha pode prejudicar a indicação do tratamento mais adequado àquele paciente.

Tais padrões devem ser usados em procedimentos, diagnósticos e outras situações por meio de abreviaturas e símbolos. Essa padronização toda é monitorada e posta em prática para evitar problemas na comunicação. Sem contar os potenciais erros que podem ocorrer quando essas normas não são adotadas.

3. Utilize medicamentos corretamente

Prevenir erros nas medicações e prescrições e utilizá-las de maneira segura é muito importante, por isso, a tarefa dos farmacêuticos nos hospitais consiste em potencializar a segurança durante o uso de medicamentos. As metas internacionais de segurança do paciente foram criadas tendo em mente um fato relevante sobre tais profissionais: é um grande desafio garantir o cuidado centralizado no paciente, tornando-se para as equipes uma referência no ambiente hospitalar.

Desse modo, com o objetivo de melhorar a segurança sobre os medicamentos que necessitam de maior vigilância, devem ser adotadas práticas padronizadas em relação ao armazenamento, à movimentação e ao uso das medicações. Esse cuidado deve ser ainda maior para medicamentos que têm uma aparência física parecida ou grafia semelhante.

Medidas simples que podem ser colocadas em prática são a checagem da identidade do paciente por meio da pulseira de identificação e do prontuário e o uso de uma grafia legível no momento da prescrição. Assim, é reduzida a probabilidade de haver complicações que envolvam a utilização de tais substâncias.

4. Garanta a segurança das cirurgias

Impedir que ocorram falhas antes, no decorrer e após as cirurgias é o objetivo dessa meta. Ela visa a garantir que as cirurgias sempre ocorram com toda a segurança possível. Para isso, é crucial que seja feita a checagem da Verificação de Segurança. Essa verificação especial minimiza os danos que os pacientes possam sofrer nas cirurgias.

Tal procedimento garante que toda etapa do pré, trans e pós-operatório seja realizada de forma conveniente e eficaz. É feita uma espécie de checklist para verificar cada ponto específico e assegurar que as cirurgias observem o local de intervenção, o procedimento e o paciente corretamente, além de serem realizadas da forma menos invasiva e que proporcione maior eficácia.

5. Pratique a higienização das mãos

A infecção hospitalar é um tema sério, pois pode causar graves problemas de saúde e até resultar na morte do paciente. Desse modo, as metas internacionais de segurança do paciente também contemplam esse mal e orientam sobre as boas práticas para reduzir os riscos de infecções associadas aos cuidados médicos.

Nesse sentido, um dos procedimentos mais importantes para prevenir infecções é a prática correta da higiene das mãos por parte dos profissionais. Assim, lavar e limpar as mãos durante diferentes momentos do dia é fundamental. Trata-se de uma atitude bem simples, que consiste em higienizar as mãos utilizando água e sabão, mas também podem ser usadas as composições alcoólicas nessa medida de segurança.

É importante, ainda, orientar os pacientes, familiares e profissionais da limpeza. Para isso, uma boa medida é adotar campanhas informativas e disponibilizar locais de higienização e assepsia em pontos estratégicos da clínica.

6. Reduza a chance de danos decorrentes de quedas

Prevenir a lesão por queda nos hospitais constitui uma assistência de qualidade na área da saúde, por isso, essa é uma meta indispensável para a segurança do paciente. Esses cuidados contribuem para garantir a boa qualidade assistencial no local.

É essencial evitar que as quedas aconteçam e várias medidas de segurança podem ser adotadas com esse propósito, como dispor de uma estrutura física e de um mobiliário que não aumentem o risco de queda, evitar o uso de tapetes, utilizar sinalização visual para locais com maior risco de quedas, entre outros.

Você também pode gostar desses conteúdos:

Compreenda a importância das metas para os serviços de saúde

As medidas para a segurança do paciente têm por objetivo minimizar os riscos e danos ao paciente em virtude dos cuidados aos quais precisa se submeter nos serviços de saúde. Isso reflete na melhoria da atenção prestada nas clínicas e nos hospitais, pois esses incidentes impactam o aumento da morbidade e da mortalidade dos pacientes.

A qualificação do cuidado nos estabelecimentos de saúde consegue reduzir os riscos de danos desnecessários. Por isso, a implantação de protocolos básicos de segurança é uma estratégia importante para a minimização de eventos adversos que poderiam ser evitados durante a assistência. Além de melhorar a satisfação do paciente, reflete no fortalecimento da cultura da segurança institucional.

É extremamente importante que pacientes e, principalmente, profissionais atuantes em hospitais e clínicas médicas conheçam as metas internacionais de segurança do paciente. Eles devem compreender bem seus objetivos para que possam aplicá-las corretamente, pois é importante que toda a equipe esteja alinhada para garantir o sucesso na implementação das medidas.

Gostou do nosso conteúdo? Está bem informado a respeito de metas e normas essenciais para a boa assistência hospitalar? Deixe seu comentário com suas dúvidas e sugestões!

Compartilhe
André Luiz Forchesatto

André Luiz Forchesatto

Ajudo a facilitar a rotina de nossos clientes, gerenciando o time que trabalha constantemente para simplificar a gestão de clínicas, consultórios e centros médicos pelo Brasil.