Compartilhar Inscreva-se

5 problemas mais comuns entre médicos e pacientes

5 problemas mais comuns entre médicos e pacientes

No momento em que uma pessoa entra em um consultório, o médico tem uma missão de grande importância: estabelecer uma boa relação com esse paciente para atender as suas necessidades da melhor maneira possível.

Uma boa conexão entre médicos e seus pacientes envolve, dentre outras coisas, empatia, respeito e ética profissional. Além disso, um canal de comunicação eficiente entre os dois aumenta as chances de um tratamento bem-sucedido e rápido.

Separamos aqui cinco dos problemas mais comuns na complexa relação médico-paciente e as melhores maneiras de resolvê-los. Confira!

1. Pouco tempo

No atual sistema de saúde brasileiro, muitas vezes inflado e conturbado, médicos têm pouco tempo para realizar consultas que atenda por completo a demanda do paciente. Fica quase impossível estabelecer uma boa conexão com alguém quando se tem apenas dez minutos. E todo mundo sabe que, por estarem sempre lotados, em certos centros de saúde, mais tempo na consulta significa atrasos e ainda mais junção de pessoas.

Para compensar um pouco esse problema, os médicos devem, o máximo possível, utilizar o tempo da consulta de forma eficiente. Todas as dúvidas e sintomas do paciente devem ser levados em conta nesse espaço. Quando o tempo é apertado, o profissional de saúde deve realizar consultas mais objetivas, mas sem perder a qualidade do atendimento dado ao paciente.

Outra medida para balancear a situação é otimizar o tempo, e não desperdiça-lo, por exemplo, procurando por fichas e outras informações. A adoção de uma alternativa tecnológica permite centralizar as informações de cada paciente e encontrá-las mais facilmente, de maneira que gere economia de tempo na consulta e ajude o médico a conhecer melhor seu paciente.

agenda médica online

2. Ausência de empatia

A empatia nada mais é do que a capacidade que um ser humano tem de se colocar no lugar do outro e compreender quais podem ser as emoções, dúvidas e aflições que estão impactando outra pessoa.

Essa habilidade é absolutamente essencial no contato entre profissionais da saúde e pacientes, já que, somente assim, com empatia, é possível compreender com precisão o que a pessoa está passando, o que ela sente, a doença que possa estar lhe afetando.

Portanto, uma habilidade a ser desenvolvida pelo médico é a de tentar estabelecer uma relação harmoniosa, respeitosa e repleta de atenção e carinho com seu paciente, a fim de que ele tenha a oportunidade de se abrir e revelar todos os detalhes da condição que o aflige.

3. Pouca Informação

Muitas vezes o médico esquece que está lidando com uma pessoa sem formação na área da saúde e que provavelmente tem dúvidas a respeito das suas dores, seus sintomas, por mais simples que sejam.

Talvez por vergonha ou receio, os pacientes tendem a não se abrir totalmente, com muitos é difícil para eles até explicar o que sentem.

Por isso, cabe ao profissional que os atende adotar uma postura ativa e buscar extrair todas as informações possível da pessoa, sanar suas dúvidas e tranquilizar o paciente para gerar confiança no tratamento.

As pessoas procuram médicos que lhes atendam com apreço, que se mostrem preocupados com sua condição e lhes passem confiança de que tudo será resolvido.

agenda médica online

4. Excesso de Informação

O equilíbrio é sempre algo um pouco complicado de alcançar. Mas, assim como falar pouco e deixar a pessoa cheia de dúvidas, falar demais, encher a mente do paciente de informações, também pode ser algo prejudicial para quem procura uma solução para seus problemas.

A utilização de informações desnecessárias e muito técnicas, em vez de tranquilizar o paciente, deixa-o mais confuso e receoso do seu estado de saúde.

Neste caso, é importante que o médico regule sua linguagem de acordo com o paciente, adequando o que vai falar de acordo com o perfil da pessoa que está na sua frente.

Uma pessoa ansiosa, com alguns problemas psicológicos, precisa sair do consultório mais calma do que entrou e não carregada de informações. Por isso, os detalhes científicos devem ser simplificados e explicados de maneira clara, não deixando espaço para contradições e dúvidas.

5. Uma má primeira impressão

Cada pessoa tem um jeito próprio, algumas são mais amigáveis, falantes, expositivas, outras mais introspectivas, fechadas, distantes. O médico vai ter que lidar com vários tipos de pacientes, do mais falador ao silencioso, do humilde ao arrogante, do sério ao sorridente.

O importante é que a postura do médico, como profissional, não oscile de acordo com a “temperatura” de cada pessoa que entra no seu consultório, pois se o profissional fechar a cara quando estiver de frente para uma pessoa fria e seca nas palavras, o resultado pode ser uma rápida deterioração da relação entre ambos.

Independentemente da postura do paciente no consultório, o médico deve sempre manter-se neutro e equilibrado, a fim de possibilitar um relacionamento tranquilo com quem procura sua ajuda.

Obviamente, existem pacientes mais complicados que irão demandar mais atenção, paciência e controle emocional por parte do médico, mas é preciso manter a postura profissional em todos os casos.

O relacionamento entre médicos e pacientes é sempre um tema complexo e necessita de muita atenção por parte dos profissionais da saúde.

Gostou de nossas dicas? Deixe seu comentário ou dúvida aqui!

Quer se aprofundar mais no assunto? Então, confira essas sete dicas para melhorar a relação com os pacientes!

Sistema para clínica

Compartilhe
André Luiz Forchesatto

André Luiz Forchesatto

Ajudo a facilitar a rotina de nossos clientes, gerenciando o time que trabalha constantemente para simplificar a gestão de clínicas, consultórios e centros médicos pelo Brasil.