Compartilhar Inscreva-se
A saúde da sua clínica também precisa de cuidados!
  • Diminua 50% as faltas dos pacientes.
  • Economize 40% no tempo de suas secretárias.
  • Facilite 100% seu dia.
Gostou desse conteúdo?

Junte-se a nossa lista de 10.500 profissionais da saúde e receba em primeira mão conteúdos exclusivos, eBooks e dicas de gestão.

Agora estamos prontos para ajudar você!

Você receberá todos os nossos conteúdos, dicas e ferramentas exclusivas.

O que muda no pagamento das horas extras no trabalho com a Reforma?

O que muda no pagamento das horas extras no trabalho com a Reforma?

Em 2017, a Reforma Trabalhista foi aprovada e passou a vigorar. Desde então, ocorreram mudanças em alguns pontos-chave da legislação, o que exige atenção por parte de gestores. No caso de clínicas e consultórios, é essencial ficar atento à questão da hora extra no trabalho.

Entender o que prevê a Reforma ajuda a garantir o pagamento adequado dos valores, de acordo com o que manda a lei. Assim, não há prejuízos nas relações com funcionários e nem problemas na justiça.

Neste post, veja o que muda sobre o pagamento de hora extra no trabalho e saiba como fazer o cálculo correto!

As horas extras ainda existem?

Uma das principais dúvidas dos empregadores está relacionada à continuidade desses horários a mais no ambiente da clínica.

Embora a Reforma tenha modificado diversos pontos, a existência dessa alternativa permanece, ou seja, ainda é possível que um funcionário faça hora extra no trabalho e receba por ela. Isso é importante ao distribuir a jornada e, inclusive, deve ser cuidado no planejamento financeiro.

Afinal, quais são as mudanças?

Primeiramente, há a questão sobre o que é considerado hora extra, de fato. Antes, qualquer período a mais, fora do expediente tradicional, poderia receber essa classificação. Agora, a lei prevê algo diferente.

Se um colaborador decidir extrapolar o horário na clínica ou consultório por motivos particulares, esse momento não é contabilizado. É o caso de quem fica um pouco além para fugir do trânsito ou para estudar online e aproveitar a estrutura do local. Se essa não for uma demanda da área de gestão da clínica, não entra na contagem de hora extra. Na prática, o funcionário precisa estar à disposição do negócio para receber o valor.

Outro aspecto de mudança é a utilização de banco de horas mediante acordo individual. Antes, somente os sindicatos de cada categoria definiam o uso desse recurso. Agora, é possível negociar diretamente com o colaborador.

Nessa modalidade, as horas extras são contabilizadas em um banco e podem ser convertidas em folgas, saídas antecipadas ou chegadas em um momento posterior. Tudo deve ser combinado entre as partes, de modo que esses períodos sejam “resgatados”.

A terceira mudança fica por conta do valor. Antes da Reforma, o pagamento era de 20% sobre a hora “normal”. Com as mudanças, o mínimo é de 50% para a jornada tradicional. O montante aumenta em feriados ou finais de semana, por exemplo, além de haver o adicional noturno em certos casos.

E-book - Ferramentas para gestão de clínicas, o guia completo.

Como fazer o cálculo da hora extra no trabalho?

Para pagar corretamente, as horas devem ser calculadas de uma forma justa. Isso significa, em primeiro lugar, realizar um registro e um acompanhamento de ponto. Os profissionais precisam marcar seus momentos de entrada e saída, de modo que o valor total seja conhecido individualmente.

No entanto, é importante verificar as atividades. Confraternizações entre funcionários da clínica não contam como horas extras, então, todos têm que ser orientados a bater o ponto no período adequado.

A partir dessa somatória, deve-se fazer a incidência do valor mínimo. Pense no seguinte exemplo: um colaborador fez 15 horas extras no mês e seu salário/hora é de R$ 8,50. Uma hora extra, então, custará R$ 4,25 e o total será corresponde a R$ 63,75 no final do mês.

Saiba que o uso de tecnologia pode ajudar e que executar esses lançamentos é essencial para manter a organização financeira sempre em dia.

O cálculo e o pagamento de hora extra no trabalho é indispensável para que a clínica não passe por apuros judiciais. Ao conhecer as alterações propostas pela Reforma Trabalhista, é possível respeitar os direitos de modo a impedir problemas no futuro.

O conteúdo foi útil? Quer mais dicas para cuidar da sua clínica? Assine nossa newsletter e não perca nenhuma novidade!

Compartilhe
André Luiz Forchesatto

André Luiz Forchesatto

Ajudo a facilitar a rotina de nossos clientes, gerenciando o time que trabalha constantemente para simplificar a gestão de clínicas, consultórios e centros médicos pelo Brasil.